Erros comuns

Os três erros gramaticais mais comuns estão relacionados à concordância entre as palavras (feminino/masculino, singular/plural), à vírgula e à crase.


A concordância entre as palavras


É preciso que verbo, substantivo e adjetivos sejam todos femininos ou masculinos e estão todos no singular ou no plural. Veja os seguintes casos:


  • Errado: Por causa da alteração da norma, foi necessário mudanças no cálculo da rentabilidade dos investimentos.

  • Correto: Por causa da alteração da norma, foram necessárias mudanças no cálculo da rentabilidade dos investimentos.

  • Correto: Por causa da alteração da norma, foi necessária uma mudança no cálculo da rentabilidade dos investimentos.

  • Correto: Por causa da alteração da norma, foi necessário mudar no cálculo da rentabilidade dos investimentos.


  • Errado: Apenas é considerado MEI (microempreendedor individual) as empresas com faturamento abaixo de 81 mil reais.

  • Correto: Apenas são consideradas MEI as empresas com faturamento abaixo de 81 mil reais.

  • Correto: Apenas é considerada MEI a empresa com faturamento abaixo de 81 mil reais.


  • Errado: A dificuldade do cálculo dos diversos impostos e taxas sobre os investimentos influenciam a escolha dos pequenos investidores.

  • Correto: A dificuldade do cálculo dos diversos impostos e taxas sobre os investimentos influencia a escolha dos pequenos investidores.


A vírgula

A vírgula é utilizada principalmente em três situações: para separar itens em uma lista, para inserir uma pequena explicação em uma frase e para mudar a ordem padrão da frase.

O uso da vírgula para separar itens em uma lista é o caso mais simples. Por exemplo, "os investimentos mais populares são a caderneta de poupança, as contas digitais com rendimentos, os imóveis, os títulos do Tesouro e os CDBs".

O segundo caso exige o uso de duas vírgulas, uma antes e outras depois da expressão que será inserida na frase. Veja os exemplos abaixo:

  • Frase original: A população brasileira prefere a caderneta de poupança.

  • Frase com explicação inserida: A população brasileira, formada principalmente por pessoas com poucos recursos, prefere a caderneta de poupança.

  • Frase original: O Tesouro Direito é uma alternativa à caderneta de poupança.

  • Frase com explicação inserida: O Tesouro Direito, embora seja mais complexo, é uma alternativa à caderneta de poupança.

A terceira situação em que a vírgula é mais usada é mais difícil de entender. Ela serve para alterar a ordem padrão de uma frase. A ordem padrão da frase é: sujeito, verbo, complementos do verbo. Essa é a ordem que facilita a compreensão. Porém, muitas vezes, pode ser necessário alterá-la para conseguir ser mais conciso ou para variar o estilo do texto, deixando-o mais interessante. Veja os exemplos abaixo:

  • Ordem padrão: Muitos preços subiram no último mês.

  • Ordem alterada: No último mês, muitos preços subiram.

  • Ordem padrão: Há pessoas que conseguem acumular grande patrimônio utilizando a caderneta de poupança devido a sua simplicidade.

  • Ordem alterada: Devido a sua simplicidade, há pessoas que conseguem acumular grande patrimônio utilizando a caderneta de poupança.

Atenção para um detalhe. Para respeitar a ordem padrão da frase não se deve colocar vírgula entre o sujeito e o verbo. O sujeito é quem realiza ou sofre a ação. Lembre-se que ele pode ser composto por diversas palavras. O sujeito das frases abaixo é a expressão que está sublinhada:

  • A empresa teve prejuízos.

  • A empresa criada pela família teve prejuízos.

  • O setor de vendas de peças automotivas e pequenos consertos teve prejuízos.

A única situação em que isso é aceitável que haja vírgula entre o sujeito e o verbo é quando há frases intercaladas. Porém, nesse caso há duas vírgulas, não apenas uma.

  • Errado: A empresa criada pela família, teve prejuízos.

  • Correto: A empresa, criada pela família, teve prejuízos.

  • Correto: Muitos preços subiram no último mês. (sujeito: muitos preços, verbo: subiram)

  • Errado: Muitos preços, subiram no último mês.

  • Errado: Muitos preços, em diversos setores subiram no último mês.

  • Correto: Muitos preços, em diversos setores, subiram no último mês.


Por fim, há diversas várias expressões que sempre exigem o uso da vírgula. Algumas antes, outras depois. E há algumas que exigem vírgulas antes e depois.

Algumas expressões em que sempre há vírgula antes:

  • A produção da empresa aumentou, mas as vendas diminuíram.

  • A produção da empresa aumentou, porém as vendas diminuíram.

  • Os lucros aumentaram, pois as vendas têm crescido nos últimos meses.

Algumas expressões em que sempre há vírgula depois:

  • Portanto, é preciso analisar em detalhe a variação do custo do produto.

  • Por isso, é preciso analisar em detalhe a variação do custo do produto.

  • No entanto, há outros fatores que devem ser analisados.

  • Contudo, há outros fatores que devem ser analisados.

  • Como visto anteriormente, há outros fatores que devem ser analisados.

  • Muitas vezes, há outros fatores que devem ser analisados.

Algumas expressões que exigem vírgula antes e depois:

  • Os lucros da empresa se mantiveram estáveis, ou seja, não houve grandes variações.

  • Os lucros da empresa se mantiveram estáveis, isto é, não houve grandes variações.


Quando tiver dúvidas sobre o uso da vírgula no caso de alguma expressão, faça uma pesquisa no Google Acadêmico.


Crase


A crase é uma das regras gramaticais que geram mais dúvidas. Talvez isso aconteça porque ela não interfere no sentido da frase. Sinceramente, por mim, ela poderia deixar de existir. No entanto, isso não vai acontecer. Então, temos que aprender a usá-la.

O mais importante é entender que a crase é o feminino do "ao". Por exemplo, se dizemos "vamos te encontrar ao anoitecer", então temos que dizer "vamos te encontrar à noite".

Observe com atenção as quatro frases abaixo. O significado delas é o mesmo. A única diferença é que duas delas utilizam o verbo "refere-se" (que exige a preposição) enquanto as outras duas utilizam o verbo "indica" (que não exige preposição). Além disso, duas delas usam o substantivo masculino (tempo), enquanto as outras duas empregam um substantivo feminino ("demora"). A crase aparece apenas quando o substantivo é feminino e o verbo exige preposição:

  • A maior parte das reclamações refere-se ao tempo de entrega dos pedidos.

  • A maior parte das reclamações refere-se à demora em entregar os pedidos.

  • A maior parte das reclamações indica o tempo para entregar os pedidos como o maior problema.

  • A maior parte das reclamações indica a demora em entregar os pedidos como o maior problema.

O "ao" é a soma da preposição "a" com o artigo "o" ("vamos te encontrar a+o anoitecer"). Ele existe porque alguns verbos exigem uma preposição depois dele ("refere-se ao preço", "devido aos novos concorrentes" etc.). Quando a palavra que vem depois do verbo é feminina, ao invés de usar "ao", temos que usar crase, porque o artigo seria feminino. Então, a crase representa a soma de "a" (preposição) com "a" (artigo). Por exemplo, "refere-se à demora", "devido às reclamações" etc. Observe neste último exemplo que pode haver crase também no plural.

Entendido isso, você pode entender as duas principais dicas para saber quando há crase:

  • nunca há crase antes de palavras masculinas:

    • Errado: "andar à cavalo", "andar à pé", "pagar à prazo";

    • Correto: "andar a cavalo", "andar a pé", "pagar a prazo".

  • Um teste para saber se há crase é pensar em um equivalente masculino. Se ele exigir “ao”, há crase.

    • Por exemplo, considere a frase "devido a falta de conhecimento, ela perdeu dinheiro". Para saber se há crase, substitua "falta" por algo parecido, mas que seja masculino. Falamos "devido o desconhecimento, ela perdeu dinheiro" ou "devido ao desconhecimento, ela perdeu dinheiro"? É a segunda opção. Portanto, o correto é "devido à falta de conhecimento, ela perdeu dinheiro".

    • Outro exemplo. "A empresa está tentando agregar mais pessoas a equipe de vendas". Há crase? Basta substituir equipe por algo parecido, mas que seja masculino, por exemplo, "time". Dizemos "agregar mais pessoas o time de vendas" ou ""agregar mais pessoas ao time de vendas". Novamente, a segunda opção. Então, há crase no caso feminino, o correto é "à equipe de vendas".

    • Mais um exemplo. "A empresa está tentando melhorar a qualidade do produto". Há crase? Troque "qualidade" por uma palavra masculina, por exemplo, "valor". "A empresa está tentando melhorar o valor do produto" ou "melhorar ao valor do produto". Dessa vez, a primeira opção é a correta. Portanto, não há crase em "melhorar a qualidade do produto".

    • Esse teste já está pronto quando a frase já tem um elemento com "ao". Por exemplo, "a reclamação refere-se ao preço e à qualidade do atendimento". Se o elemento masculino possui "ao", o elemento feminino terá crase.

Resumindo, a crase é o feminino do "ao". Por isso, não há crase antes de palavras masculinas e, no caso de palavras femininas, imagine se teria "ao" caso a palavra fosse masculina.

Aqui estão alguns verbos comuns em trabalhos acadêmicos em que a crase é necessária:

  • devido à mudança / devido ao avanço

  • isso deve-se à dificuldade de criar uma empresa / isso deve-se ao processo

  • em relação às críticas apresentadas / em relação aos problemas apresentados

  • isso refere-se às mudanças propostas / isso refere-se aos obstáculos enfrentados

  • há preocupação quanto às dificuldades que isso pode gerar / preocupação quanto aos problemas

Em algumas expressões exigem crase em alguns contextos, mas não em outros:

  • Com crase: À medida que os preços subiram, as vendas diminuíram (indicando a passagem do tempo).

  • Sem crase: O lucro é a medida mais usada de sucesso de uma empresa.

    • Sem crase: É necessário adequar a empresa.

  • Com crase: É necessário se adequar à legislação.

  • Com crase: É necessário adequar a empresa à legislação.

  • Sem crase: É necessário adequar a legislação à época em que vivemos.

  • Sem e com crase: É necessário adequar a legislação à época em que vivemos.

No caso do verbo adequar, não há crase antes da coisa está sendo adequada, mas há crase antes coisa à qual ela será adequada.